Notícias que impactam suas ações e investimentos!

ABERTURA: Ibovespa e dólar comercial caem após dados ruins de emprego nos EUA

SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:

Investing.com – Na abertura do mercado nesta sexta-feira (4), o Ibovespa operava em queda de 0,20%, aos 101.308 pontos, às 10h17. Já o dólar operava em queda desde o início da sessão de negociação, às 9h, e estava cotado a R$ 4,071, com desvalorização de 0,45% ante o Real.

Nesta manhã, a principal notícia a afetar os mercados foi a divulgação do payroll não agrícola dos EUA, isto é, os dados sobre as folhas de pagamento dos trabalhadores que não trabalham no campo. O indicador veio abaixo do esperado, podendo ser mais um sinal de desaquecimento da economia dos EUA.

 
Quer investir em ações? Na XP Investimentos, é online, rápido e grátis!  ABRA SUA CONTA 
 

– Cenário Interno

Reforma da Previdência

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), disse nesta quinta-feira que a intenção dos senadores favoráveis à reforma da Previdência é trabalhar para que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) seja votada na próxima semana, mas ponderou que não haveria problema caso o segundo turno ocorra apenas no final do mês.

Para a senadora, o texto já aprovado pelo Senado em primeiro turno garante uma economia de aproximadamente 800 bilhões de reais em dez anos. Segundo ela, a PEC não deve ser desidrata.

“É óbvio que queremos votar (o 2º turno) na semana que vem, mas se tiver de ser até o final de outubro, não tem problema, o mercado, a sociedade e o governo já sabem que a reforma traz um alívio no déficit de 800 bilhões de reais ao longo de 10 anos e não há possibilidade de desidratar mais essa reforma”, afirmou.

Cessão Onerosa

O governo negocia o direcionamento de recursos do leilão do excedente da cessão onerosa para emendas parlamentares, dentro de estratégia para destravar pautas de seu interesse no Congresso Nacional, incluindo a finalização da reforma da Previdência, afirmou uma fonte com conhecimento direto do assunto.

Segundo a mesma fonte, o tema foi debatido na tarde desta quinta-feira entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A questão ganhou força após Guedes ter sugerido, na semana passada, que a arrecadação com os próximos leilões de petróleo fosse 40% canalizada para emendas parlamentares, deixando à União outros 30% e a Estados e municípios os 30% restantes.

– Cenário Externo

– Payroll

Os EUA criaram 136 mil postos de trabalho não-agrícolas em setembro, de acordo com o relatório de emprego conhecido como Payroll divulgado às 09h30. Os analistas de mercado tinham a expectativa que a criação havia sido de 145 mil no mês passado. Crescimento do ganho médio do trabalho também ficou abaixo do consenso, com alta anual de 2,9% contra a expectativa de 3,2%. Já a taxa de desemprego dos EUA ficou abaixo que aguardava os economistas, ficando em 3,5% contra 3,7% do consenso.

Mercado Asiático

Os mercados acionários do Japão e da Austrália fecharam em alta nesta sexta-feira graças a ganhos em Wall Street, mas sinais de mais problemas na economia global contiveram o apetite por risco no momento em que o mercado se prepara para o relatório de emprego dos Estados Unidos.

Os números a serem divulgados nesta sexta-feira podem determinar se o Federal Reserve irá cortar mais os juros dos EUA.

Os investidores vêm reagindo a uma série de dados fracos dos EUA nesta semana, incluindo pesquisas sobre os setores industrial e de serviços, aprofundando temores de que a guerra comercial entre EUA e China está começando a afetar o crescimento da maior economia do mundo.

Impeachment de Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, solicitou novamente a interferência estrangeira nas eleições presidenciais do país, ao pedir publicamente à China que investigue o rival político democrata Joe Biden – uma solicitação semelhante já desencadeou uma investigação de impeachment no Congresso.

Ao deixar a Casa Branca para uma visita à Flórida, Trump disse a jornalistas acreditar que tanto a China quanto a Ucrânia deveriam investigar Biden e seu filho empresário, Hunter Biden.

“E, a propósito, a China deveria iniciar uma investigação sobre os Bidens. Porque o que aconteceu na China é tão ruim quanto o que aconteceu na Ucrânia”, declarou Trump.

Hong Kong

O governo de Hong Kong deve discutir leis de emergência abrangentes na sexta-feira, que irão incluir proibição de máscaras faciais em protestos, disseram duas fontes à Reuters, conforme o território administrado pela China luta contra um crescente ciclo de violência.

Autoridades já afrouxaram diretrizes para o uso da força pela polícia, de acordo com documentos vistos pela Reuters nesta quinta-feira, à medida que buscam acabar com manifestações antigoverno que agitam Hong Kong há quase quatro meses.

O afrouxamento de restrições sobre uso de força por parte da polícia entrou em vigor pouco antes de um dos tumultos mais violentos em protestos, quando um adolescente foi baleado por um policial no peito na terça-feira. Esta foi a primeira vez que um manifestante foi baleado com munição letal.

Brexit

Autoridades da União Europeia (UE) expressaram dúvidas nesta quinta-feira de que as mais recentes propostas britânicas sobre o Brexit possam levar a um acordo antes do prazo final de 31 de outubro, e um representante do bloco chegou a dizer que o plano do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, “não pode voar” do modo como está.

Mas o bloco teve a cautela de não rejeitar as propostas muito cedo, e os dois lados estão pisando com cuidado para evitar qualquer culpa, caso o tortuoso processo de separação termine em confronto.

Mais conversações entre os negociadores do Brexit dos dois lados devem ocorrer na sexta-feira, mas o bloco já deixou claro que os planos de Johnson —que envolvem principalmente acordos para a fronteira entre a Irlanda (integrante da UE) e a Irlanda do Norte (província britânica)— não estão nem perto de alcançar um acordo.

– Agenda Americana

A sexta-feira será marcada pela divulgação dos números oficiais do mercado de trabalho americano de setembro. Os analistas esperam que o payroll (vagas de trabalho) seja de 140 mil novos postos, contra 130 mil de agosto. Com isso, a taxa de desemprego deve se manter em 3,7%.

Na parte da tarde, o foco do mercado fica para o pronunciamento do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que fala às 15 horas (horário de Brasília) em um evento promovido pelo Fed de Washington sobre pleno emprego e estabilidade dos preços.

BOLSAS INTERNACIONAIS

Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,32%, a 21.410 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 1,11%, a 25.821 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC permaneceu fechad0. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, não teve operações.

A sexta-feira dá sinais de um dia positivo para o mercado de ações da Europa. O DAX, de Frankfurt, tem ganhos de 0,04% aos 11.929 pontos, enquanto que, em Londres, o FTSE soma 0,36% aos 7.103 pontos. Já em Paris, o CAC avança 0,36% aos 5.449 pontos.

COMMODITIES

Os negócios do minério de ferro e do vergalhão de aço seguem sem negociação nas bolsas chinesas, voltando às atividades na próxima semana.

No caso do petróleo, o barril do tipo WTI, referência de Nova York, soma 0,06%, ou US$ 0,03, a US$ 52,48. Já em Londres, o Brent avança 0,54%, ou US$ 0,31, a US$ 58,02.

MERCADO CORPORATIVO

– Lei das Telecomunicações

O presidente Jair Bolsonaro sancionou o novo marco legal das telecomunicações do país, informou o Diário Oficial da União desta sexta-feira, transformando em lei um projeto aprovado pelo Congresso em setembro com mudanças que eram bastante aguardadas pelo setor.

A indústria de telecomunicações defendia há anos novas regras para o setor permitidas pela lei, como a possibilidade de incorporação de ativos da União pelas operadoras mediante compromissos de investimento em infraestrutura e a criação de um mercado secundário de frequências de telefonia móvel.

O texto também permite a migração das atuais concessões para o regime de autorização, em troca de investimentos das empresas na expansão da banda larga

– Odebrecht

A Caixa Econômica Federal pediu a falência do conglomerado Odebrecht, de acordo com documentos judiciais vistos pela Reuters, no que pode ser um final dramático para a empresa envolvida em escândalos de corrupção.

A Caixa também pede que os credores possam nomear uma nova administração tanto do conglomerado quanto de suas subsidiárias, caso o juiz não ordene a liquidação da empresa.

A ação da Caixa coloca a Odebrecht sob mais pressão para reestruturar dívidas em um dos maiores casos de recuperação judicial da América Latina. O grupo pediu recuperação judicial em junho, com dívidas concursais de 51 bilhões de reais.

Uma das maiores credoras da Odebrecht, a Caixa vem contestando a decisão da companhia de incluir donos de bônus emitidos por uma unidade no exterior na recuperação judicial.

– Privatizações

O governo incluirá mais estatais no grupo das que poderão ser vendidas em nova reunião do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) que será feita ainda neste ano, afirmou o secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar.

Em coletiva de imprensa, ele destacou nesta quinta-feira que não estão no mandato as privatizações de Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil (SA:BBAS3) e Petrobras (SA:PETR4), mas ponderou que, no futuro, há valor potencial a ser atingido com operações envolvendo essas empresas se sociedade, Congresso e presidente da República assim entenderem.

Questionado sobre o possível impacto para os ativos do governo de falência do conglomerado Odebrecht, após a Caixa ter feito pedido nesse sentido, Mattar avaliou que o episódio ilustra por que o Estado não é eficiente gestor de negócios.

“O Estado brasileiro está se metendo a ser empresário, então ele tem bancos, e os bancos emprestaram para Odebrecht 27 bilhões de reais e Odebrecht está com dificuldade de pagar, está em recuperação judicial e não tem como pagar isso”, afirmou.

– Gol (SA:GOLL4)

A Gol (SA:GOLL4) informou nesta quinta-feira que a demanda total por assentos em seus voos em setembro foi 15,5% maior do que um ano antes, enquanto a oferta da companhia aérea avançou 11% no mesmo comparativo.

Com isso, a taxa de ocupação teve alta de 3,2 pontos percentuais, para 81,2%, informou a empresa.

Nos voos domésticos, a demanda de passageiros em setembro por voos da companhia cresceu 11,5% ano a ano, enquanto a oferta avançou 7%, elevando a taxa de ocupação em 3,3 pontos, para 82%.

Já nas operações internacionais, a demanda deu um salto de 49,2% no mês passado, ao passo que a oferta evoluiu 42%, fazendo a taxa de ocupação crescer 3,7 pontos, para 76,8%.

– Cessão Onerosa

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quinta-feira que as duas Casas do Congresso vão construir um acordo para a divisão dos recursos da cessão onerosa sob a liderança do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Cessão onerosa a gente vai resolver. Já falei com o Davi mais cedo, vamos conversar à noite. Vamos fazer uma construção em conjunto, sob a liderança dele, para que a gente possa aprovar o texto na Câmara e se Deus quiser encaminhar para promulgação”, disse Maia a jornalistas ao sair do Ministério da Economia após reunião com o ministro Paulo Guedes.

– Guerra dos Cartões

A efervescência do mercado de meios de pagamentos terá um novo capítulo na semana que vem, quando uma audiência na Câmara dos Deputados vai discutir a tarifa de intercâmbio no mercado de cartões, após a Mastercard, maior bandeira de cartões no país, ter anunciado ajuste na tabela cobrada sobre adquirentes.

A audiência da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, em 2 de outubro, deve ter atenção incomum dados os interesses envolvidos num mercado com receitas estimadas em cerca de 30 bilhões de reais neste ano, segundo dados do setor.

A reunião foi convocada pelo deputado Augusto Coutinho (Solidariedade/PE), após a repercussão com o anúncio da Mastercard, há pouco mais de um mês, de reajustes da tarifa de intercâmbio sobre cartões de crédito, que as bandeiras cobram das adquirentes e que entrará em vigor em 1º de outubro.

AGENDA DE AUTORIDADES

– Jair Bolsonaro

A sexta-feira do presidente da República tem início com uma entrevista a Tânia Monteiro, Jornal Estadão, se reunindo em seguida com a Senadora Soraya Thronicke (PSL/MS). Ainda pela manhã, tem encontros com Mauro Ribeiro, Presidente do Conselho Federal de Medicina e com o Deputado Vitor Hugo (PSL/GO), Líder do Governo na Câmara dos Deputados.

Na parte da tarde, tem reunião com Antônio Sérgio Altieri de Moraes Pitombo, Advogado.

– Paulo Guedes

– Audiência com o senador Dario Berger (MDB/SC);

– Audiência com o presidente da CAOA, Carlos Alberto;

– Audiência com o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, e outras lideranças empresariais;

– Audiência com o presidente ANFAVEA, Luiz Carlos Moraes.

Com Reuters.

Parceria

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!