Notícias que impactam suas ações e investimentos!

Impeachment de Trump e Brexit entre as 5 notícias de hoje

SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:

Investing.com – As ações globais prosseguem em queda após dados industriais fracos nos EUA, enquanto a Câmara dos Representantes entra em conflito com o Departamento de Estado sobre a Ucraniagate e a Exxon Mobil (NYSE:XOM), iniciando a temporada de balanços do terceiro trimestre com um início ruim. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros internacionais nesta quarta-feira, 2 de outubro.

1. Uma desaceleração sincronizada

Os principais índices de Wall Street devem abrir com perdas mais pesadas no pregão desta quarta-feira, depois que a leitura mais fraca do PMI do ISM em 10 anos sugeriu fortemente que os EUA não foram poupados da desaceleração industrial sofrida pela China e pela Europa.

Às 7h, o futuros do Dow caía 172 pontos ou 0,6%, enquanto o futuros do S&P 500 caía 19 pontos ou 0,6% e os futuros do Nasdaq 100 caíam 0,8%.

As ações globais estenderam suas perdas durante a noite. Enquanto os mercados chineses permanecem fechados por conta do feriado nacional, o índice japonês, Nikkei 225 caía 0,5% e o europeu Stoxx 600 caía 1,4% após a abertura.

O relatório mensal da folha de pagamento da ADP às 9h15 mostrará quão amplamente a desaceleração está afetando as contratações, enquanto os discursos do presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker, e seu colega de Nova York John Williams (NYSE:WMB) podem indicar se os dados levaram o tom do Fed para uma maior flexibilização na política monetária, já que na última reunião do colegiado da Fomc não houve indicação de cortes de juros após duas reduções em julho e setembro.

2. A tensão do impeachment aumenta

O cenário econômico já é suficiente sombrio, mesmo sem a ameaça de instabilidade política em Washington, mas parece que isso é cada vez mais difícil de evitar.

A Câmara dos Deputados se prepara para um confronto com o Departamento de Estado por suas tentativas de ouvir o depoimento duas autoridades em relação às alegações de que o presidente Donald Trump pressionou seu colega ucraniano para ajudá-lo a investigar o filho de seu adversário mais provável nas eleições do próximo ano, Joe Biden.

O The Wall Street Journal informou que o secretário de Estado Mike Pompeo escreveu aos líderes da Câmara dizendo que não permitiria que seus funcionários fossem “intimidados” a testemunhar sem preparação adequada.

Os investidores reagiram buscando segurança em títulos do Tesouro. O rendimento de dois anos caía agora para 1,54%, enquanto a nota de 10 anos agora estava em 1,63% e o de 30 anos 2,09%.

3. OMC deve atualizar o caso Boeing-Airbus

A Organização Mundial do Comércio deve anunciar às 11h quanto os EUA têm o direito de cobrar tarifas contra a União Europeia (UE) em retaliação por subsídios ilegais dado pelos europeus à Airbus.

A decisão prepara o caminho para o governo Trump abrir uma nova frente nas múltiplas disputas comerciais dos EUA, embora o desejo de aproveitar essa oportunidade com seu gosto costumeiro – dado o impacto cada vez mais severo na economia global tão próxima da campanha eleitoral – continue sendo uma questão em aberto.

4. Os planos de Johnson desencadeiam o mini-pânico do Brexit

As bolsas de valores da Europa tinham mais do que apenas a pesquisa do ISM para se preocupar durante a noite, enquanto os planos do primeiro-ministro britânico Boris Johnson de romper o impasse sobre o Brexit tiveram uma resposta fria da Irlanda e da UE.

Em um movimento raro, tanto a libra quanto o mercado de ações do Reino Unido caíam em conjunto (geralmente o FTSE 100 sensível à exportação aumenta quando a libra cai), à medida que os investidores se preparavam para um cenário cada vez mais provável “sem acordo”.

Johnson está pronto para encerrar a conferência do Partido Conservador mais tarde com um discurso que supostamente fará a oferta como um acordo de “pegar ou largar” para a UE, esperando que a desaceleração aguda da zona do euro faça com que a UE aceite no último minuto.

5. Exxon Mobil (NYSE:XOM) alerta sobre lucro

A Exxon Mobil (NYSE:XOM) levantou uma barreira para a próxima temporada de ganhos com um aviso de que os lucros operacionais caíram no último trimestre pelo quarto trimestre consecutivo nos três meses até setembro. Um documento regulatório mostrou que todos os três principais negócios caíam em relação ao ano anterior.

Em parte devido aos preços mais baixos do petróleo, cujas perspectivas serão detalhadas mais tarde pelos dados dos estoques de petróleo do governo dos EUA na semana passada. Os números da API divulgados na terça-feira mostraram uma queda surpreendente e acentuada nos estoques de petróleo, colocando um piso nos preços do petróleo após uma queda acentuada nos últimos dias.

A Exxon também lamentou resultados mais fracos em seus negócios com produtos químicos e a falta de um benefício fiscal do período do ano anterior. Seus resultados oficiais vencem em 31 de outubro. Os avisos vêm em meio a sinais de uma desaceleração acentuada do crescimento da produção do petróleo bruto devido aos preços mais baixos.

Parceria

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!