fbpx

Parceria r7.com

Quando uma pessoa física solicita um empréstimo, o banco consulta qual o score do cliente quando o assunto é crédito. Ele é um bom pagador ou ficou devendo alguma vez? O rating de crédito funciona mais ou menos assim: uma nota que mostra se o emissor de uma dívida é capaz de honrar seus compromissos. 

Desta forma, o rating pode ser dado para países, no caso de títulos públicos, ou empresas, se estivermos falando de valores mobiliários de companhias, como as debêntures. Assim, o investidor pode avaliar o risco da dívida na qual está aplicando. 

Quem dá essa nota são as agências de classificação de risco, que devem ser independentes e imparciais – as maiores são Standard & Poor’s, Moody’s e Fitch. Cada uma utiliza suas metodologias de análise, mas geralmente, a escala conta com notas de A (as máximas) até D (as piores). Os ratings mais baixos são de grau especulativo, enquanto os mais altos são considerados de grau de investimento. 

Quer tomar melhores decisões de investimento? Fale com um especialista SpaceMoney

Para dar a nota de rating a um emissor, alguns critérios quantitativos e qualitativos são usados na análise das agências. Fluxo de caixa, endividamento e acontecimentos que impactam as companhias, como fusões e aquisições, influenciam a nota.

Qual a importância do rating?

A classificação de risco de um emissor é mais uma ferramenta para investidores avaliarem se vale a pena ou não aplicar naquele ativo. Adquirir um título com rating mais baixo, especulativo, pode fazer sentido para quem é mais agressivo, enquanto optar por investimentos de notas mais altas é recomendado para os mais conservadores.

Para os países, o nível de rating também é importante, porque mostra a confiança de investidores globais na estratégia econômica e política nos governos. Um rebaixamento nas notas, por exemplo, afasta o capital estrangeiro em títulos nacionais. Um aumento no rating, ao contrário, pode melhorar a visão em relação ao país. 

Críticas às agências

Frequentemente as agências de rating são alvos de crítica, pois estão expostas a um conflito de interesses. Elas são pagas justamente pelas empresas que avaliam. Assim, elas poderiam avaliar positivamente uma companhia que é sua cliente. 

A crise de 2008 foi um momento em que essas discussões se intensificaram. A Standard & Poor’s, por exemplo, pagou mais de US$ 1 bilhão de dólares para o governo norte-americano liquidar os processos relacionados relacionados aos ratings que havia dado para bancos.


Publicidade


  • Produtos/Serviços SpaceMoney

  • Parceria r7.com

  • Simulador Online de Investimentos SPACEMONEY

    Acesse nosso Simulador de Investimento e descubra as melhores aplicações financeiras para o seu bolso e perfil.

    Simulador Online
  • © 2020 – SpaceMoney Brasil Informações e Sistemas Ltda. Todos os Direitos Reservados.
    A SpaceMoney é um veículo informativo e não faz recomendações de investimentos, não podendo ser responsabilizada por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.