fbpx

Parceria r7.com

Juntamente com o forte aumento dos volumes na nossa Bolsa, também tem crescido o volume negociado em opções de compra e venda. As pessoas físicas, que têm “voado” em direção à Bolsa e já são mais de 2 milhões, também vêm mostrando apreço por esses instrumentos financeiros, dados os seus “baixos preços” – o prêmio de uma opção costuma ser uma pequena fração do preço da ação correspondente – e elevadíssimos potenciais de retornos positivos. Obviamente, há também a possibilidade de serem muito negativos.

Temos assistido a algumas situações bastante inusuais: por exemplo, a ação da Cogna Educação (COGN3) teve expressivo desempenho até julho, com uma insana corrida de pessoas físicas para comprar suas calls (opções de compra). 

Em diversos strikes havia dezenas de milhares de detentores das opções versus uma quantidade muito menor de lançadores. Naturalmente, com essa enorme (e irracional) demanda compradora pelos indivíduos, o preço das opções (sua volatilidade implícita) foi à Lua. 

Não era raro ver volatilidades implícitas acima de 100%, enquanto grande parte dos nomes na Bolsa têm 30%, 40%. Não apenas pela derrocada da ação, mas também pela corrosão do time value, a maior parte desses indivíduos teve perdas monumentais. 

Covered calls

Alimenta-se, em casos como o da Cogna, o mito de que derivativos acarretam maior risco. Não necessariamente. 

Na Amazônia Capital, fazemos justamente o oposto. Estamos tipicamente “do outro lado do balcão” nessas situações, vendendo as opções, coletando os prêmios e reduzindo o risco de posições em renda variável. 

Fazemos o que se chama da venda coberta de opções de compra — em inglês, covered calls —, que consiste na venda de opções de compra conjugada à compra da ação. Dessa forma, em caso de exercício da opção temos a ação para entregar (sempre “um para um”). 

Os prêmios coletados tanto ajudam a compor positivamente para o retorno do portfólio como oferecem certa proteção ao downside, pois, em caso de queda das ações, as opções que vendemos tipicamente “viram pó” e embolsamos integralmente o prêmio coletado.

Cuidados com derivativos

Após mais de cinco anos realizando essas operações em nosso fundo de ações — com taxa de sucesso maior que 99% —, decidimos lançar um fundo multimercado (chamado Amazônia Enhanced Income) dedicado exclusivamente a essa estratégia. Assim, rentabilizamos e protegemos uma carteira seleta e fundamentalista de ações de ótima qualidade, com um perfil de risco-retorno bastante suavizado em comparação à estratégia long-only

Derivativos são um instrumento importantíssimo para os mercados financeiro e de capitais. Sua utilização atende a uma série de objetivos, amplificando ou minimizando os vetores de exposição de uma carteira às oscilações no mercado. 

Pessoas físicas iniciantes em renda variável devem tomar enorme cuidado ao operá-los. O enorme potencial de retorno positivo é sedutor, mas o potencial para perdas é ainda maior, podendo superar o valor do capital do investidor. Há diversas formas de se investir e é bom que haja agentes de mercado realizando todas elas. Nós, entretanto, seguimos a linha da prudência e paciência.

Leia mais artigos de Jorge Augusto Saab:

https://spacemoney.com.br/pandemia-reforca-importancia-de-investir-em-empresas-bem-geridas-e-lideres-de-mercado/
https://spacemoney.com.br/historia-mostra-riscos-de-excessiva-concentracao-na-carteira-de-investimentos/

Publicidade

  • Aplicativo SpaceMoney



  • Parceria r7.com

  • Simulador Online de Investimentos SPACEMONEY

    Acesse nosso Simulador de Investimento e descubra as melhores aplicações financeiras para o seu bolso e perfil.

    Simulador Online
  • © 2020 – SpaceMoney Brasil Informações e Sistemas Ltda. Todos os Direitos Reservados.
    A SpaceMoney é um veículo informativo e não faz recomendações de investimentos, não podendo ser responsabilizada por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.