Quais contas tiveram pagamento alterado durante a pandemia?

SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:

Para aliviar o bolso durante a pandemia, as autoridades anunciaram diversas medidas como suspensão temporária do pagamento de contas e tributos. Nesta SpaceDica, você pode conferir todas as possibilidades para diminuir os gastos durante os próximos meses.

1. Eletricidade

Consumidores de baixa renda estão isentos de pagar a conta de luz até junho, de acordo com uma medida provisória. O benefício vale para famílias que consomem até 220 quilowatt-hora no mês, têm registro no Cadastro Único ou idosos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Os interessados devem ir até a distribuidora de energia elétrica do seu estado com documentos como RG, CPF e número NIS.

2. Gás

Em alguns estados, a cobrança do fornecimento de gás também sofreu alterações. A Naturgy, distribuidora no Rio de Janeiro, não vai fazer cortes em casas, pequenos comércios e estabelecimentos hospitalares enquanto a crise durar. No entanto, a empresa orienta os consumidores a pagarem suas faturas, se puderem, para não “comprometerem o orçamento familiar no futuro próximo”.

Já em São Paulo, o governo fez um acordo com a Comgás e, até 31 de maio, residências e comércios não terão o serviço interrompido. Se enquadram na medida aqueles que consomem até 500 m³ no mês.

3. Água

Em São Paulo, a Sabesp vai isentar famílias das categorias Residencial Social e Residencial Favela do pagamento da conta de água até junho. Fazem parte desses grupos desempregados e habitações coletivas, por exemplo.

No Rio de Janeiro, os cortes de abastecimento e pagamentos de tarifas foram suspendidos até julho para consumidores da tarifa social e de pequenos comércios, que somam 1 milhão de pessoas, segundo a Cedae (Companhia Estadual de Água e Esgoto).

4. IPVA

Em alguns estados, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores teve o recolhimento prorrogado. É o caso de Goiás, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Minas Gerais e Roraima, por exemplo, que tiveram o pagamento postergado para entre os meses de junho, julho e agosto.