Notícias que impactam suas ações e investimentos!

StockBeat: Corte de 10 mil empregos no HSBC é outro golpe para bancos europeus

SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:

Por Geoffrey Smith

Investing.com – Quando o HSBC rompeu com uma longa tradição ao destituir John Flint como executivo-chefe, muitos se perguntaram o quanto as coisas estavam ruins no banco. Agora, as notícias publicadas no final do domingo deram a resposta.

Um relatório não confirmado do Financial Times disse que o substituto de Flint, Noel Quinn, está se preparando para cortar outros 10 mil empregos. Dado que Quinn está na posição apenas provisoriamente, essa é uma afirmação poderosa.

 
Seu dinheiro pode render muito mais com a Genial!  INVISTA JÁ 
 

Também adiciona substância à narrativa sobre a partida de Flint – o conselho era educado demais para explicitar explicitamente na época – a saber, que o líder do HSBC tinha um coração muito mole para fazer o tipo de corte que o conselho considerava necessário para sustentar os lucros.

A reportagem do Financial Times indica onde esses cortes podem ser sentidos. As operações globais de varejo do banco devem sentir mais o peso, especialmente na zona do euro, onde taxas de juros abaixo de zero prejudicam a lucratividade. Com muitos esperando uma flexibilização quantitativa mais agressiva e taxas de juros ainda mais baixas do Banco Central Europeu quando Christine Lagarde assumir no próximo mês, a lógica de esperar para ver se as coisas melhoram se esgotou. A rede do HSBC na França está sob investigação particular.

O HSBC está longe de enfrentar um aperto incontrolável de custos e receitas – as infames ‘Mandíbulas’ que Flint e seus colegas tiveram que conversar nos últimos anos. O Deutsche Bank (DE:DBKGn) divulgou 18.000 cortes de empregos no início deste ano em uma grande readequação estratégica, a grande diferença é que seus problemas foram mais agudos nos EUA, o principal mercado desenvolvido em que os bancos ainda são razoavelmente lucrativos. O Societe Generale (PA:SOGN) e o Barclays (LON:LON:BARC) também têm se esforçado para cortar pessoal.

O HSBC espera que os cortes criem um espaço para contratar mais pessoas na Ásia, onde as oportunidades são maiores. No entanto, 10.000 ainda representam apenas 4% da força de trabalho do banco. Dada a pressão de longo prazo sobre os lucros (o mercado doméstico do Reino Unido também está se aproximando da redução das taxas de juros, aumentando a pressão sobre o que já é uma franquia pesada e com margens baixas), seria uma surpresa se o sucessor de Quinn, quem quer que seja ele, ainda tivesse muito o que fazer.

O Deutsche ainda não recebeu uma recompensa por sua ousadia (as circunstâncias externas se opuseram a ela nesse meio tempo), mas o HSBC superou ligeiramente seus pares na segunda-feira em um mercado sem direção. As ações caíam 0,4% às 6h15 da manhã, enquanto o FTSE 100 caía menos de 0,1%. O índice Stoxx 600 mais amplo permaneceu efetivamente inalterado. O DAX da Alemanha caía 0,1% após outro declínio – ainda que mais suave – nos pedidos de fábrica em agosto.

Publicidade

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!