Notícias que impactam suas ações e investimentos!

Veja discurso do presidente Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU

Investing.com – O presidente Jair Bolsonaro fez o discurso de abertura na 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, nesta terça-feira na sede da instituição em Nova York. Foi a primeira vez que ele participa do evento, que reúne anualmente a maior parte dos chefes de Estado do planeta. Tradicionalmente, cabe ao presidente do Brasil fazer o discurso de abertura do evento.

A entrevista está disponível no vídeo abaixo, no final da matéria. Logo abaixo, o Investing.com apresentou um panorama com a expectativa em relação ao discurso do presidente brasileiro. O resumo da fala de Bolsonaro está disponível aqui.

Pauta do discurso

Bolsonaro já deixou claro que o ponto principal do seu pronunciamento será a defesa das ações do governo na Amazônia, após a repercussão negativa dos incêndios que vêm ocorrendo na região ao longo das últimas semanas.

O discurso é oportunidade para o governo brasileiro de baixar as críticas quanto à sua política ambiental à maior floresta do mundo, além de vender a imagem de que o Brasil tem compromissos com ações contra desmatamento e é favorável ao desenvolvimento sustentável, sempre reivindicando a soberania do país na região. Ou pode colocar mais lenha na fogueira.

Meio ambiente x Interesses econômicos

O que está em jogo não é apenas a preservação ambiental: a repercussão negativa dos incêndios e a resposta agressiva do governo brasileiro podem trazer prejuízos econômicos e financeiros ao país. Na semana passada o Parlamento da Áustria rejeitou o acordo comercial Mercosul-União Europeia alegando as queimadas como impeditivo do acordo.

Além disso, a crescente imagem negativa do país por conta do episódio pode levar consumidores de outros países a boicotarem os produtos brasileiros, especialmente os do agronegócio, que também sofrem a ameaça de serem impedidos de entrar em outros países por barreiras não-tarifárias.

Investimentos no Brasil

Em relação à questão financeira, fundos de 30 países que movimentam US$ 16 trilhões em ativos exigiram, na semana passada, ações contra desmatamento em contrapartida para alocação de seus recursos no país. Vale ressaltar a aposta da equipe econômica em contar com esses recursos para os planos de concessões e privatizações em um ambiente econômico-financeiro internacional de juros negativos.

No entanto, a crise da Amazônia é isolada e não afasta o investidor estrangeiro na avaliação do vice-presidente executivo da S&P Global, Ewout Steenbergen, em entrevista à edição desta terça-feira à Folha de S.Paulo. O executivo afirmou que a retomada do crescimento acima do 1%, atrelada à aprovação das reformas e da estabilidade política, é um fator crucial para o investidor estrangeiro decidir alocar seus recursos no Brasil, embora ressalte que compromissos com questões ambientais e sociais serão fatores relevantes em decisões dos investidores no futuro.

Veja discurso do presidente Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU

Parceria

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!