Por Peter Nurse

Investing.com – Os EUA estão no limite com os protestos contra a brutalidade policial, alguns violentos, continuando por todo o país, enquanto as tensões entre o país e a China continuam a escalar.

A indústria do petróleo também está em foco, com a possibilidade de a Opep se reunir antes do planejado para discutir novos cortes na produção.

E há os dados do PMI de fabricação do ISM dos EUA em maio para serem avaliados.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na segunda-feira, 1º de junho.

1. EUA no limite; protestos se tornam violentos

O que começou como uma manifestação pacífica contra a morte de negros por policiais após a morte de George Floyd, quando ele foi contido por policiais de Minneapolis, se transformou em violentos protestos que devastaram cidades da Filadélfia a Los Angeles e explodiram perto da Casa Branca.

A pressão está aumentando sobre o presidente Donald Trump, que enfrenta acusações de incitar a violência racial, enquanto ele parecia apelar aos seus apoiadores para protestar contra os movimentos antirracistas na frente da Casa Branca. Ele também disse que os EUA designarão grupos Antifa (abreviação de antifascistas) como uma “organização terrorista”.

A turbulência foi um novo revés para a economia, que estava começando a emergir de uma crise semelhante à Grande Depressão. Após dados fracos sobre gastos e varejo na sexta-feira, a produção econômica estimada do Federal Reserve de Atlanta pode cair 51% anualizados no segundo trimestre.

2. Trump se afasta do limite com a China, por enquanto

Os mercados financeiros acompanharam nervosamente a resposta do presidente Trump na sexta-feira à decisão da China de impor uma lei de segurança nacional em Hong Kong. No final, o presidente disse que tiraria Hong Kong de seu status especial com os EUA, mas não renunciou ao acordo comercial recentemente assinado com a China, como o mercado temia.

Ainda assim, as relações entre as duas maiores economias do mundo estão particularmente tensas, e esse movimento não pode ser descartado no futuro, especialmente com a aproximação das eleições presidenciais dos EUA.

A Bloomberg informou na segunda-feira que funcionários do governo chinês disseram às principais empresas agrícolas estatais que interrompessem as compras de alguns produtos agrícolas americanos, incluindo soja, enquanto Pequim procura avaliar a recente escalada nas tensões entre os dois países.

“Se Trump quer aumentar suas chances de derrotar Biden em novembro, ele precisa se tornar ainda mais duro do que a China atualmente”, disseram analistas da Nordea, em uma nota de pesquisa.

3. Ações devem devem abrir mistas; previsão do Goldman se torna mais positiva

Os mercados de ações dos EUA devem abrir mistos, depois de um mês positivo em maio. Os distúrbios contínuos em todo o país, além das tensões aumentadas com a China, provavelmente pesarão no mercado antes do lançamento dos dados do PMI de fabricação do ISM.

Às 8h16, o contrato de Dow Jones 30 futuros subia 56 pontos, ou 0,22%, enquanto o contrato de S&P 500 futuros tinha alta de 0,1% e o contrato de Nasdaq 100 futuros caía 0,2%.

Ainda assim, em uma nota mais positiva, o Goldman Sachs abandonou a previsão de mais uma liquidação nas ações.

O banco de investimentos reverteu sua previsão de que o S&P 500 cairia para o nível de 2.400 – mais de 20% abaixo do fechamento de 3.044 na sexta-feira – e agora vê riscos de queda limitados em 2.750. O benchmark de ações dos EUA pode subir ainda mais, para 3.200.

“A recuperação poderosa significa que nossa meta anterior de 2.400 é improvável de ser alcançada”, escreveram os estrategistas. “O apoio à política monetária e fiscal limita o lado negativo a aproximadamente 10%. O posicionamento do investidor oscilou entre neutro e baixo e é um possível catalisador positivo de 5%.”

Na Ásia, o índice de referência Nikkei ganhou 0,8%. Na Europa, com a Alemanha fechada para o feriado de 1º de junho, o FTSE 100 em Londres e o CAC 40 em Paris subiram 1%.

4. PMI da indústria do ISM na lista de dados

Nesta semana, alguns membros do Federal Reserve entrarão no período de silêncio antes da próxima reunião política monetária neste mês, mas haverá muitos dados econômicos para estudar.

Na sexta-feira, ocorre o importante lançamento de folhas de pagamento não agrícolas, mas antes disso o índice de atividade dos gerentes de compras da indústria ISM de maio, às 11h.

Espera-se que isso mostre uma melhora no sentimento no setor manufatureiro, com a expectativa de que o índice suba para 43,0 de 41,0 em abril, quando partes da economia dos EUA começaram a emergir do bloqueio.

No entanto, uma melhoria não é garantida. A Nordea disse, em uma nota de pesquisa, que não seria uma surpresa ver uma leitura ainda mais fraca em maio, citando uma decepcionante publicação do Índice Econômico Semanal do Fed de Nova York, bem como o índice de abril, que não caíram tanto quanto esperado.

As notícias da Europa não foram particularmente animadoras, pois, embora os fabricantes da zona do euro pareçam ter ultrapassado seu pior momento, a atividade ainda está em forte contração.

5. Reunião da OPEP esta semana?

Os preços do petróleo estão em alta ultimamente, com os contratos Brent e WTI no mês anterior registrando seus maiores ganhos mensais nos últimos anos em maio, com a produção de petróleo pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, caindo para o nível mais baixo em duas décadas.

Para solidificar essa mudança de opinião, a Argélia, que atualmente ocupa a presidência da Opep, propôs que uma reunião da Opep+ planejada para os dias 9 e 10 de junho seja antecipada para esta quinta-feira.

Um dos tópicos de discussão provavelmente será uma extensão dos atuais cortes de 9,7 milhões de barris por dia, para um a dois meses. Sob o acordo atual, o grupo está programado para reduzir a escala de cortes para 7,7 milhões de barris por dia a partir de julho.

“Um período mais curto pode tornar uma extensão mais agradável aos russos, que não desejavam estender os cortes atuais até o final deste ano, o que teria sido sugerido por outros membros do acordo”, disse o ING, em nota de pesquisa ao clientes.

  • Simulador Online de Investimentos SPACEMONEY

    Acesse nosso Simulador de Investimento e descubra as melhores aplicações financeiras para o seu bolso e perfil.

    Simulador Online