Parceria r7.com

Por Yasin Ebrahim, da Investing.com – O Federal Reserve (Fed) manteve as taxas inalteradas na quarta-feira (16) e reiterou que a política monetária permaneceria acomodativa por um período prolongado para apoiar a recuperação em curso da economia.

O Federal Open Market Committee deixou sua taxa de juros inalterada na faixa de 0% a 0,25%.

A decisão veio poucas semanas depois que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, revelou o regime de metas de inflação média do banco central, projetado para permitir que a inflação ultrapasse sua meta de 2% em um esforço para alcançar a estabilidade de preços de longo prazo. O movimento aumentou as expectativas de que as taxas poderiam ser mantidas perto de zero por mais tempo do que seria o caso sob a meta anterior do Fed, com alguns participantes do mercado prevendo nenhum aumento nas taxas por algum tempo.

As últimas projeções econômicas do Fed parecem apoiar as expectativas de que as taxas permaneçam mais baixas por mais tempo, com os formuladores de políticas apoiando o banco central para manter sua taxa de referência inalterada em 0,1% até 2023.

Muitos argumentam que o Fed havia aumentado as taxas muito rapidamente na era da crise financeira, com base nas expectativas de que a inflação acabaria se voltando para a meta, sustentada por um mercado de trabalho aquecido. A nova abordagem busca evitar a repetição da inflação abaixo da meta por um período prolongado.

“Com a inflação persistentemente abaixo dessa meta de longo prazo, o Comitê terá como objetivo atingir a inflação moderadamente acima de 2 por cento por algum tempo para que a média da inflação seja de 2 por cento ao longo do tempo e as expectativas de inflação de longo prazo permaneçam bem ancoradas em 2 por cento,” disse em um comunicado.

A promessa do Fed de manter as taxas perto de zero e persistir com a compra de ativos ajudou a apoiar um aumento na atividade econômica.

O banco central espera que a economia contraia 3,7% em 2020, em comparação com uma estimativa anterior de queda de 6,5%. Mas o crescimento em 2021 e 2022 foi revisado para baixo para 4% e 3%, de 5% e 3,5%, respectivamente.

As medidas de estímulo têm ajudado a retomada do ritmo da inflação e do mercado de trabalho, que hoje segue acima das expectativas.

No início deste mês, o Departamento do Trabalho informou que a taxa de desemprego caiu para 8,4%, enquanto a inflação PCE, a medida de inflação preferida do Fed, ficou em 1,3%.

Na esteira dos dados mais fortes, o Fed revisou suas projeções para a taxa de desemprego no ano para 7,6%, ante 9,3% anteriormente, enquanto a inflação deve acelerar e atingir 1,2% no final do ano, acima da previsão anterior de 0,8%.

Olhando para o futuro, o banco prevê que o desemprego caia para 4,6% em 2022, abaixo de uma estimativa anterior de 5,5%. Enquanto isso, a inflação para 2021 e 2022 foi revisada para 1,7% e 1,8%, de 1,6% e 1,7%, respectivamente, e está prevista uma subida mais rápida para cerca de 2% em 2023.

O balanço do Fed aumentou nas últimas semanas para mais de US$ 7 trilhões, perto do pico de junho de cerca de US$ 7,2 trilhões.

Leia também: AO VIVO: Entrevista de Powell após Fed manter taxa sob nova abordagem de política


Publicidade


  • Produtos/Serviços SpaceMoney

  • Parceria r7.com

  • Simulador Online de Investimentos SPACEMONEY

    Acesse nosso Simulador de Investimento e descubra as melhores aplicações financeiras para o seu bolso e perfil.

    Simulador Online
  • © 2020 – SpaceMoney Brasil Informações e Sistemas Ltda. Todos os Direitos Reservados.
    A SpaceMoney é um veículo informativo e não faz recomendações de investimentos, não podendo ser responsabilizada por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.