Notícias que impactam suas ações e investimentos!

Fundos socioambientais: alguns batem índice de referência, outros têm desempenho ruim

Os fundos socioambientais, aqueles vinculados a fins sociais, ambientais, de equidade e de governança, acumulam desempenhos diversos desde seus anos de criação. Para efeito de avaliação e comparação, esses fundos estão atrelados a benchmarks, que são indicadores para medir o desempenho do investimento, funcionando como uma régua.

Dependendo do fundo, o objetivo é superar ou apenas acompanhar o benchmark. Entre os socioambientais, enquanto o Fundo Itaú Unibanco de Excelência Social (FIES) bate o seu benchmark, o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), em 396,72%, o Ethical Santander apresenta desempenho de -10,86% contra 14,88% do Ibovespa.

Segundo o sócio da consultoria especializada em investimento responsáveis Kipu Invest Luiz Félix, alguns dos resultados ruins podem ser explicados pela falta de interesse do investidor brasileiro, que afeta a gestão dos fundos. “Eu acredito que enquanto não houver um interesse como vemos em países mais desenvolvidos, os gestores, por sua vez, também não vão destinar a atenção necessária para fazer com que esses investimentos se tornem atrativos”, explicou.

Veja abaixo alguns dos fundos disponíveis no mercado:

I. Fundo Itaú Unibanco de Excelência Social (FIES)

Gestor Banco Itaú
Data de início 03/02/2004
Patrimônio R$63.327.962

A aplicação reúne ações de empresas reconhecidas por suas práticas sociais, ambientais e de governança corporativa. Além disso, 50% da taxa de administração desse fundo são destinados a organizações não-governamentais para o desenvolvimento de programas na área educacional.

Desempenho: esse fundo tem como benchmark o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Desde sua criação, em 2007, já rendeu 515,50%, contra 129,94% do ISE. Em 2019, até junho, acumulou rentabilidade de 6,52%.

Resultado: desde 2004, o programa de investimentos sociais do FIES (PIPS FIES) já repassou mais de R$ 13 milhões, beneficiando 77 programas com foco em educação infantil, ambiental e para o trabalho.


II. Fundo do Índice ICO2 (ECOO11)

Gestor BlackRock
Data de início 15/06/2012
Patrimônio R$55.424.799

O fundo tem como benchmark o Índice Carbono Eficiente da B3 (ICO2) e seleciona empresas com boa gestão da emissão de gases de efeito estufa por meio da análise de seus portfólios.

Desempenho: com a carteira composta por grandes empresas, como Itaú Unibanco, Lojas Renner, Bradesco e Telefonica, o fundo acumula rentabilidade próxima ao seu índice de referência (ICO2). Desde sua criação, o acumulado total do fundo é de 113,46% contra 116,56% do índice.

Resultado: empresas desse fundo estabelecem princípios socioambientais, como o de Moda Responsável das Lojas Renner. Desde 2017, a companhia já reduziu em 20% suas emissões absolutas de CO2.

 

III. Fundos Itaú Ecomudança Renda Fixa

Gestor Banco Itáu
Data de início 31/03/2008
Patrimônio R$43.254.026

Ecomudança Renda Fixa é um fundo que busca acompanhar a taxa do CDI e aplica 80% da carteira em títulos públicos federais e/ou ativos com baixo risco de crédito de mercado. Também destina 30% de sua taxa de administração para projetos ambientais de redução de emissões de gases de efeito estufa, energia renovável, florestas e agricultura sustentável.

Desempenho: segundo a Tabela de Rentabilidade de Investimentos do Itaú, nos últimos 36 meses, o Ecomudança RF teve rentabilidade de 24,70%. Outros fundos do banco, como o Itaú Personnalité PGBL Plus RF (149), Itau 1ª Previdência PGBL Plus RF (152), Itau 1ª Previdência VGBL Plus RF (158) e Itaú Personnalité VGBL Plus RF (160) renderam 23,52% no mesmo período.

Resultado: segundo o Itaú Unibanco, desde 2009, o Ecomudança já contribuiu para a redução de aproximadamente 34 mil t/CO2 de gases do efeito estufa; investiu mais de R$ 6 milhões em 63 projetos de adubação natural, eliminação de agrotóxico, introdução de tecnologias agroecológicas, instalação de um Centro de Formação, Produção e Pesquisa no Pantanal; e propiciou o plantio de mais de 230.700 mudas em todo o Brasil.

 

IV. BB Ações Equidade

Gestor Banco do Brasil
Data de início 12/09/2018
Patrimônio R$ 45.738.003,14

O fundo aloca seus recursos em cotas de Fundos de Investimento (FIs) de empresas que adotem ou incentivem a prática de equidade entre os gêneros. Além disso, todas as empresas da carteira são signatárias do Women’s Empowerment Principals (Principios de Empoderamento das Mulheres), uma iniciativa da ONU de estímulo à ascensão de mulheres no ambiente corporativo.

Desempenho: desde a criação do fundo, a rentabilidade acumulada é de 40,10%, contra 34,40% do Ibovespa, seu benchmark.

 

V. BB ISE Jovem

Gestor Banco do Brasil
Data de início 01/12/2005               
Patrimônio
R$ 10.001.027,07

Esse tem como benchmark o ISE. É um fundo de ações e a aplicação mínima é de R$15. Sua taxa de administração é de 2,5% e 20% dela é doada para instituições que promovem ensino, inclusão e o desenvolvimento social, como a Fundação Banco do Brasil.

Desempenho: nos últimos cinco anos, o fundo apresenta um retorno acumulado de 15,33% contra 25,40% de seu benchmark, o ISE.

 

VI. Ethical Santander

Gestor Banco Santander
Data de início 06/11/2001
Patrimônio R$ 34.252.291

O fundo tem como objetivo remunerar o capital investido por meio da alocação em ações de empresas “socialmente responsáveis”. A seleção dessas companhias é feita por análise dos fundamentos corporativos, das práticas sociais e de proteção ao meio ambiente.

Desempenho: desde sua criação, ele apresenta um desempenho ruim frente ao seu benchmark, o Ibovespa. Em 2019, enquanto o Ibovespa valorizou 14,88%, o Ethical Santander caiu 10,86%.

Resultado: as empresas que compõem essa carteira possuem “compromisso social estabelecido”. No 4° trimestre de 2018, por exemplo, o Santander ajudou a financiar mais de 14 mil bolsas de estudos em universidades.

 

VII. VRB Multimercado

Gestor TERA INVESTIMENTOS
Data de início
13/07/2016
Patrimônio
R$ 129.237.262

O VRB é uma instituição que criou dois fundos em parceria com alguns gestores renomados do mercado, como George Soros. Os gestores do VRB Multimercado doam 100% da taxa de administração para pessoas vivendo em situações de vulnerabilidade social em São Paulo e no Rio de Janeiro. Com a verba já foram criados projetos como a Academia Pérolas Negras, que oferece trabalho, estudo e lazer para pessoas de baixa renda e refugiados.

Desempenho: em 12 meses, o fundo acumula 12,19% (192% do CDI) de valorização, com 4,00% de volatilidade.

Veja também:

Publicidade

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!