Petróleo cai novamente com preocupações econômicas na China

SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:

Investing.com – O medo com a segurança do petróleo saudita e até mesmo um rali em Wall Street não poderiam ajudar no final. Os contratos futuros de petróleo, que foram negociados estáveis no início da terça-feira, se afundaram mais no vermelho, com as preocupações renovadas sobre a economia da China prevalecendo.

Os preços do petróleo reduziram as perdas no início do dia, com relatos de uma explosão na refinaria de Sasref na Arábia Saudita. A explosão, causada por um vazamento de gás, reavivou as preocupações com interrupções no fornecimento após o ataque de 14 de setembro à gigantesca instalação de processamento de petróleo de Abqaiq, no Reino saudita, que derrubou temporariamente metade da produção mundial diária de petróleo.

Mas, à medida que o mercado avançava em direção às perdas, as preocupações com novos problemas nas negociações comerciais EUA-China retornaram. Os dados econômicos fracos que sublinham as preocupações com o crescimento global também pesaram.

petróleo WTI caiu 78 centavos, ou 1,5%, a US$ 52,81 por barril. Já o Brent fechou com queda de 61 centavos a US$ 68,74.

“O petróleo precisa de algum Prozac … as mudanças de humor no mercado de petróleo estão se tornando mais violentas e sem tendência”, disse Phil Flynn, analista sênior de mercados de energia da corretora Price Futures Group, de Chicago. “Quando você pensa que a tendência é baixa ou alta, prepare-se para mudar de ideia.”

Flynn observou que o WTI atingiu US$ 63,89 após o ataque de 14 de setembro na Arábia Saudita, depois se reduziu para US$ 50,99, antes de se recuperar no que ele descreveu como “uma das faixas mais selvagens da história recente”.

“Movimentos agudos em qualquer direção podem acontecer na manchete do tempo real, tornando-o muito atraente para os traders”, disse ele. “Os operadores de posição, é claro, precisam do Rolaids, pois as rápidas mudanças de humor podem fazer sua cabeça girar e revirar o estômago”.

petróleo foi pressionado por um relatório de madrugada mostrando os preços das portas da fábrica da China caindo no ritmo mais rápido em mais de três anos em setembro. Isso ocorreu depois que os dados alfandegários mostraram na segunda-feira que as importações chinesas se contraíram pelo quinto mês consecutivo em setembro.

“As preocupações do lado da demanda emergentes da guerra comercial sino-americana continuaram pesando nos preços do petróleo“, disse Abhishek Kumar, chefe de análise da Interfax Energy em Londres. “Os fracos dados econômicos da China são uma manifestação da disputa comercial”, afirmou ele.

Dados divulgados na terça-feira também mostraram que o sentimento dos investidores alemães piorou novamente em outubro, em meio à preocupação de que a maior economia da Europa esteja caminhando para uma recessão.

Mas em Wall Street, os índices de ações subiram quando a temporada de balanço do terceiro trimestre começou a acelerar, com uma série de relatórios otimistas de ganhos que trouxeram os compradores de volta ao mercado de ações.

As preocupações geopolíticas, entretanto, mal ajudaram a aumentar o petróleo.

Os preços do petróleo não se beneficiaram da decisão do presidente dos EUA Donald Trump de impor sanções à Turquia e exigir que o aliado da Otan pare uma incursão militar no nordeste da Síria.

O mercado também mal reagiu à promessa de segunda-feira do presidente iraniano Hassan Rouhani de responder a um ataque a um dos petroleiros de Teerã no Mar Vermelho, dizendo que as evidências sugerem que um governo, e não um grupo terrorista, estava envolvido.

Parceria

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!