Projeto de Lei não deve afetar ações de RENT3, LCAM3 e MOVI3

SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:
Está em discussão na Câmara dos Deputados um projeto de lei que visa aumentar o prazo para que as locadoras de veículos tenham a isenção de ICMS ao vender os carros de sua frota.

Atualmente, as locadoras precisam manter os carros em sua frota por pelo menos 12 meses para poderem vende-los sem a incidência do ICMS. A isenção é baseada no princípio que as locadoras de veículos não estão vendendo mercadorias, mas estão se desfazendo de ativos.

Há críticas no setor de que as locadoras não vêm respeitando o prazo mínimo de 12 meses para vender os veículos como seminovos. Daí a “brilhante” proposta de ampliar o prazo para 24 meses, quando uma fiscalização melhor ou uma simplificação tributária que facilitasse a incidência de impostos poderiam resolver o problema.

E Eu Com Isso?

As vantagens da isenção do ICMS e a venda direta (das montadoras para as locadoras) fazem com que as empresas de locação sejam responsáveis por 45% da comercialização de carros no Brasil. Isso confere um enorme poder de barganha para as locadoras. Elas conseguem comprar os carros com descontos, vende-los com preços mais competitivos. Isso vem “roubando” mercado das concessionárias de veículos, que se articulam para mudar as regras.

Hoje a receita gerada com a venda de seminovos pelas revendedoras está na casa dos 50%. No entanto, a margem é baixa, está ao redor de 4,5% medida pelo Ebitda. A receita com locação de carros e a gestão de frotas corresponde aos outros 50%.

A venda de veículos é uma maneira inteligente que as locadoras encontraram para manter suas frotas sempre atualizadas. Tal fato aumenta a demanda por automóveis e eleva o poder de barganha das empresas de locação junto às montadoras na hora da compra.

O aumento da tributação não afetaria de maneira relevante o resultado das locadoras, porém teria efeitos negativos para o setor automotivo como um todo, ao diminuir o apetite das locadoras pela renovação de suas frotas. Ao que tudo indica o Projeto de Lei não deve andar, porém se andar deve ter pouco efeito.

Não esperamos impacto nos preços das ações no curto prazo.

Parceria

Receba notícias diretamente em seu celular ou tablet. Inscreva-se agora!