Tudo o que você precisa saber sobre letras de câmbio

letras de câmbio
SpaceCast - Ouça esta matéria clicando abaixo:

Investir bem passa também por conhecer mais sobre diferentes tipos de investimento, entendendo como eles funcionam e quais possibilidades oferecem. Nesse sentido, vamos abordar as letras de câmbio, aplicação de renda fixa que pode se mostrar bastante interessante.

Por isso, nesta Spacedica, vamos indicar o que elas são, como os investimentos funcionam, além de apresentar as vantagens desse tipo de aplicação e outros pontos indispensáveis que você deve saber sobre as letras de câmbio. Boa leitura!

O que são as letras de câmbio?

Como já mencionamos na introdução deste artigo, as letras de câmbio (muito conhecidas apenas pela sigla LC) são investimentos que se enquadram na categoria de renda fixa. Ou seja, o investidor sabe no momento da aplicação qual será o seu rendimento ou, pelo menos, a forma pela qual ele será calculado.

Logo de cara, é importante esclarecer que as LCs não têm qualquer relação com operações de câmbio envolvendo moedas estrangeiras. Essa confusão é bastante frequente, dado o nome da aplicação.

Mas o que são as LCs então? Elas são títulos de renda fixa emitidos por instituições financeiras que não são bancos. Uma LC funciona de maneira muito similar a um CDB (certificado de depósito bancário), com a diferença que este só pode ser emitido por bancos. De todo modo, as diferenças entre o funcionamento dessas aplicações (e da maioria das opções de renda fixa emitidas por instituições privadas ou mesmo dos títulos públicos) são mínimas.

Outras formas de investimento similares às LCs são as Letras de Crédito Imobiliário ou do Agronegócio (LCI e LCA). A diferença entre elas está no fato de que as LCIs/LCAs podem ser emitidas apenas por bancos e o dinheiro captado tem destinação específica, que é financiar o setor imobiliário ou do agronegócio, como o próprio nome dá a entender.

É muito comum encontrar LCs disponíveis, principalmente, em financeiras e sociedades de crédito, que utilizam esse instrumento para captar recursos no mercado e, com isso, dar continuidade aos seus negócios (fazendo financiamentos ou emprestando dinheiro aos clientes, por exemplo).

Com isso, quem investe em uma LC está emprestando dinheiro para essas instituições e, a partir disso, espera receber como rentabilidade os juros dentro do prazo combinado no momento da aplicação. É daí que vem o termo “câmbio” dessa aplicação: o investidor escolhe investir o dinheiro com a financeira em troca da rentabilidade dentro do período do investimento.

Quais as diferenças entre as letras de câmbio disponíveis?

O investidor que escolher investir em LC terá à sua disposição 3 categorias de títulos disponíveis: os prefixados, os pós-fixados e os híbridos. Elas se diferenciam pela forma como o cálculo da rentabilidade é feito.

Nas LCs prefixadas, o rendimento exato é informado no momento da aplicação e não sofre variação, independentemente do que aconteça no mercado. Assim, uma LC dessa categoria pode pagar juros de 5% ao ano, por exemplo.

Já em uma LC pós-fixada, a rentabilidade fica atrelada a uma taxa e oscila de acordo com ela. Ou seja, não é possível saber qual será o rendimento exato, mas sempre haverá uma taxa que servirá de referência. Entre as mais utilizadas estão a SELIC ou o CDI.

Por fim, existem os títulos híbridos. Eles combinam 2 indicadores para oferecer uma parte da rentabilidade fixa e outra oscilando de acordo com determinada taxa. Assim, é possível encontrar opções que combinem um percentual prefixado mais a variação de um indicador da economia. Em um exemplo, teríamos 2% ao ano mais a inflação calculada pelo IPCA.

Quais as vantagens de aplicar nas letras de câmbio?

Com uma procura, é possível encontrar LCs bastante atrativas, que dão ao investidor mais uma opção interessante para diversificar sua carteira. Abaixo, indicamos quais são as principais vantagens dessa modalidade de investimento.

Rentabilidade atrativa

Quase sempre, a rentabilidade oferecida pelas LCs será maior que da caderneta de poupança, principal opção de aplicação financeira entre os brasileiros. Quando comparamos com outras opções de renda fixa, as LCs também se mostram bastante competitivas.

Existe uma explicação para esse bom rendimento: as LCs são quase sempre emitidas por financeiras com menor reputação no mercado que os bancos. Isso as obriga a oferecer retornos maiores para atrair mais investidores.

Para ampliar a rentabilidade, vale sempre escolher os títulos com prazos de vencimento maiores, já que quanto mais tempo o dinheiro ficar aplicado, maior tende a ser o retorno alcançado.

Proteção do FGC

Assim como acontece na caderneta de poupança e em parte dos títulos de renda fixa, todos os depósitos de até R$ 250 mil feitos em uma LC são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) — espécie de seguro que protege o investidor caso a instituição financeira apresente problemas que não permitam que ela honre seus compromissos.

Risco baixo

O FGC só amplia a segurança das LCs, que são considerados investimentos de baixo risco. Caso a instituição financeira emissora decrete falência, o investidor receberá seu dinheiro de volta, dentro dos limites estabelecidos pelo FGC.

Para ampliar essa segurança, o investidor pode procurar por instituições financeiras com maior reputação no mercado e sempre investir procurando formas de diversificar sua carteira, o que ajuda a diluir os riscos e minimizar eventuais prejuízos.

Retorno conhecido no momento da aplicação

Por fim, uma das vantagens do CDB, do LC e de outros títulos de renda fixa, é conhecer no momento da aplicação qual será o seu retorno. Com isso, o investidor pode se planejar de forma melhor, escolhendo o tamanho do aporte a ser feito, bem como a rentabilidade a ser obtida e o prazo de vencimento do investimento.

Quais cuidados observar?

Após observar as vantagens, é sempre importante considerar alguns pontos antes de decidir investir em uma LC. O primeiro aspecto a ser avaliado é a liquidez do título, já que muitos deles penalizam a rentabilidade do investidor caso o saque seja feito antes do prazo de vencimento. É comum encontrar letras de câmbio com vencimentos que variam entre 6 meses e 5 anos.

Além disso, na hora de estimar a rentabilidade é preciso ponderar a cobrança do imposto de renda. As alíquotas cobradas variam dos 15% a 22,5% e diminuem com o passar do tempo, favorecendo aplicações de prazos maiores.

Levando todas essas características em conta, as letras de câmbio podem ser uma nova opção para quem está em busca de mais formas de diversificar sua carteira de aplicações, principalmente pensando no longo prazo.

Quer continuar aprendendo sobre investimentos? Então veja quais cuidados tomar na hora de investir em aplicações isentas de imposto de renda.

Parceria